Brasil, sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Deputado pede fim da amônia no Canadá

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Um deputado da província da Colúmbia Britânica pediu para o governo canadense proibir o uso da amônia (R-717) em sistemas de refrigeração no país, após um vazamento fatal na pista de patinação da cidade de Fernie.

O acidente, ocorrido em 17 de outubro, matou três trabalhadores que realizavam uma manutenção de rotina nas máquinas da arena esportiva.

Durante um discurso na Câmara dos Comuns, Wayne Stetski pediu a eliminação progressiva do fluido refrigerante tóxico e a introdução de sistemas mais seguros e eficientes no país.

As mortes dos trabalhadores provocaram grande preocupação no Canadá, com autoridades em todo o país verificando seus sistemas de refrigeração e tranquilizando a população sobre sua segurança.

Apesar disso, houve algumas solicitações para a remoção de sistemas de refrigeração com amônia, muitas das quais respaldadas por relatórios imprecisos.

Stetski informou aos colegas do parlamento que, desde 2007, houve mais de 50 vazamentos de R-717 no Canadá, muitos dos quais causando ferimentos e mortes.

“Exorto o governo federal a trabalhar com as províncias para ajudar os municípios a eliminar sistemas baseados em amônia, a fim de garantir que não haja mais tragédias como as de Fernie”, disse.

Um relatório do ano passado da British Columbia Safety Authority (BCSA), uma das poucas autoridades canadenses que mantêm registros precisos sobre vazamentos de fluidos refrigerantes em plantas de refrigeração, revela um total de 50 incidentes do gênero na Colúmbia Britânica entre 2007 e 2015.

Destes casos, 40 foram de vazamento de amônia. No entanto, com base em relatórios de primeiros socorros, não houve mortes, e dez incidentes resultaram em lesões. Em 34 exposições à amônia relatadas, a maioria foi sofrida pelos funcionários destas instalações frigoríficas ou pelos primeiros socorristas.

Embora as investigações sobre a causa do vazamento em Fernie continuem, a maioria dos acidentes com amônia constantes do relatório da BCSA foi associado a falhas nos sistemas de controle e monitoramento ou nos componentes individuais.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Compartilhe.