Brasil, segunda-feira, 21 de agosto de 2017

82% dos executivos pretendem aumentar investimentos em eficiência e energias renováveis

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

O Indicador de Eficiência Energética da Johnson Controls de 2016, pesquisa com mais de 1.200 instalações e executivos de gestão de energia nos Estados Unidos, Brasil, China, Alemanha e Índia, mostra que o interesse e o investimento na eficiência energética alcançaram nível recorde.

No Brasil, 94% dos entrevistados disseram que suas organizações estão prestando mais atenção à eficiência energética hoje do que há um ano, com 82% antecipando o aumento dos investimentos em eficiência energética e energia renovável nos próximos 12 meses. Em comparação, 88% dos entrevistados brasileiros em 2013 relataram prestar mais atenção à eficiência energética e 57% haviam planejado aumentar os investimentos.

Ainda no Brasil, 35% dos entrevistados estão dispostos a pagar mais para o espaço em um edifício verde certificado, em comparação com 29% dos entrevistados em 2013. Além disso, 37% dos entrevistados no Brasil construíram seu espaço de locação para padrões elevados de desempenho, em comparação com 26% em 2013.

Globalmente, embora a redução de custos continue a ser o principal motivo do investimento, as organizações também estão considerando cada vez mais a segurança energética, o cliente, atração de funcionários, redução de gases de efeito estufa, melhora da reputação, política do governo e expectativas dos investidores na tomada de decisões de investimento. Os resultados da pesquisa mostram que 64% das organizações norte-americanas têm agora uma meta interna ou declararam publicamente redução de carbono, em comparação com 41% em 2013.

“A eficiência energética é o centro de uma grande transformação dos nossos edifícios, sistemas de energia e infraestrutura urbana”, observa Bill Jackson, presidente de Building Efficiency da Johnson Controls. “O investimento em edifícios inteligentes, sustentáveis e resilientes é a chave para o aumento da eficiência urbana e entrega de seus muitos benefícios sociais, ambientais e econômicos.”

Assim como das outras vezes, os entrevistados globais relataram falta de financiamento, reembolso insuficiente, incerteza da poupança e falta de conhecimentos técnicos como as barreiras mais significativas para o investimento.

De acordo com a pesquisa, as organizações que operam carteiras maiores de edifícios são mais propensas a usar capital interno para investimentos e possuem duas vezes mais probabilidade de obter financiamento externo ou usar contratos de serviços de energia para fazer melhorias de eficiência energética.

Organizações com a maioria de suas instalações localizemada áreas urbanas são mais propensas a investir na construção inteligente e em tecnologia energética. Na verdade, 64% das organizações em áreas urbanas têm investido na construção de sistemas de gestão, enquanto mais de 50% têm investido na integração de sistemas de gestão da construção com iluminação, segurança, seguro de vida ou outros sistemas.

Além disso, 39% das organizações em áreas urbanas têm investido em energia renovável local e 24% em não-renovável de geração distribuída. Estas organizações também são mais propensas a investir em armazenamento de energia e exigir resposta tecnológica.

Outras conclusões globais que surgiram da pesquisa incluem:

• As medidas de eficiência energética mais frequentes adotadas em 2015 foram melhorias em HVAC, programas de educação de energia, melhorias no controle de edifícios, integração de sistemas prediais, energia renovável no local e eficiência hídrica.

• 78% das organizações globais já são certificadas ou possuem um plano para certificar, pelo menos, um edifício verde em comparação com 51% em 2010, com mais edifícios existentes sendo certificados do que novas construções.

• 42% das organizações estão dispostas a pagar ágio para alugar o espaço em um edifício verde certificado contra 15% em 2013. Além disso, 37% das organizações globais constroem seu espaço alugado nos mais altos padrões de desempenho em comparação com 18% em 2013.

• 80% das organizações planejam atingir um status líquido de energia em zero, quase zero ou positivo para pelo menos uma das suas instalações contra 49% em 2013.

• Resiliência está se tornando um importante motor, com 82% das organizações relatando a capacidade de manter operações críticas durante eventos climáticos severos ou que cortes prolongados de energia são muito ou extremamente importantes quando se consideram os investimentos em infraestruturas futuras. 62% das organizações disseram ser muito ou extremamente provável que tenham uma ou mais instalações capazes de operar fora da rede nos próximos dez anos.


 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Compartilhe.