Brasil, quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Congelamento de sêmen protege onça pintada

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +
[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

A Associação Mata Ciliar iniciou este ano um projeto pioneiro para a conservação do maior felino das Américas, por meio de técnicas de criopreservação de sêmen e inseminação artificial.

Em sua primeira fase, o material genético de alguns machos dessa que é uma das espécies mais ameaçadas de extinção no Brasil será colhido e armazenado em baixíssimas temperaturas.

Na segunda fase do projeto, será realizada a inseminação das fêmeas, um trabalho que deve levar mais de três anos para ser concluído.

A iniciativa da organização não-governamental (ONG), que ocorre em colaboração com o Center for Research of Endangered Species of Zoo and Botanical Garden of Cincinnati e a Universidade Federal do Mato Grosso, conta com a participação do especialista em reprodução de animais selvagens William Swanson.

No final do ano, Swanson voltará ao Brasil para avaliar a qualidade do material coletado e qual das técnicas de congelamento gerou melhores resultados. O pesquisador já reproduziu estudo semelhante em tigres siberianos com sucesso e pretende agora, com o projeto brasileiro, melhorar o banco genético da onça pintada.


 

[/et_pb_text][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_image admin_label=”Imagem” src=”http://blogdofrio.com.br/wp-content/uploads/2016/04/criopreservação-onça-pintada-3-e1461184551886.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”left” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” alt=”Pesquisadores coletam material genético para conservação” title_text=”Pesquisadores coletam material genético para conservação”][/et_pb_image][et_pb_image admin_label=”Imagem” src=”http://blogdofrio.com.br/wp-content/uploads/2016/04/criopreservação-onça-pintada-1-e1461184456762.jpg” show_in_lightbox=”off” url_new_window=”off” use_overlay=”off” animation=”left” sticky=”off” align=”left” force_fullwidth=”off” always_center_on_mobile=”on” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”][/et_pb_image][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section][et_pb_section admin_label=”Seção” fullwidth=”off” specialty=”off”][et_pb_row admin_label=”Linha”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

O que é criogenia

A palavra criogenia é de origem grega (kryos + genesis) e significa “produção de frio”. Atualmente, o termo define o ramo da físico-química que estuda o congelamento de materiais.

Os cientistas dessa área ainda não chegaram a um consenso sobre em que ponto do termômetro termina a temperatura de refrigeração e a criogênica começa, mas muitos concordam que ela se inicia em -150 °C (123 K ou -238 °F).

No Brasil, os processos do gênero têm sido amplamente utilizados em tubulações, tanques e equipamentos da indústria química e petroquímica, principalmente em plantas de gases industriais e de gás natural liquefeito (GNL).

Em laboratórios, as técnicas de criopreservação permitem que células, tecidos ou embriões sejam mantidos inalterados por tempo indefinido a -196 ºC, temperatura de ebulição do nitrogênio líquido.


 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Compartilhe.