Brasil, quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018

Como definir a qualidade ideal do ar em ambientes internos

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Sabe-se há muito tempo que temos dificuldades para definir o que significa um bom ambiente interno. Afinal de contas, existem muitos parâmetros envolvidos.

Nossos sentidos podem fornecer informações variadas. Existem muitas fontes que nos afetam, como luz, correntes de ar, poluição, temperatura, umidade, entre outras.

Sabemos que, na mesma sala, uma pessoa pode se sentir confortável e a outra se sentir desconfortável. Isto ocorre porque cada indivíduo tem a própria temperatura ideal.

A temperatura é, muitas vezes, a principal causa de desconforto. Além dos fatores mencionados anteriormente, a temperatura da nossa roupa e de superfície também influenciam nossa experiência.

Há várias investigações e experimentos realizados sobre o assunto e os resultados mostram que, mesmo se o ambiente da sala estiver perfeito, cerca de 5% das pessoas sempre ficarão insatisfeitas.

No gráfico abaixo, podemos ver a porcentagem prevista de insatisfação quando a temperatura varia de média para ideal.

PPD (porcentagem prevista de insatisfação) como a função do conforto térmico percebido (PMV)

Qualidade do ar

A qualidade do ar é muito difícil de medir. A maneira mais comum de fazê-lo é com a concentração de dióxido de carbono (CO2), mas também com as medidas de COVs (compostos orgânicos voláteis), que são realizadas de diferentes maneiras.

Os COVs são produtos químicos orgânicos que apresentam uma alta pressão de vapor na temperatura ambiente. Sua alta pressão de vapor é resultado de um baixo ponto de ebulição, o que faz com que um grande número de moléculas se evapore ou sofra sublimação partindo da forma líquida ou sólida do composto e entre no ar circundante, uma característica conhecida como volatilidade.

Os COVs são numerosos, variados e onipresentes. Nesse grupo estão inclusos compostos químicos produzidos por seres humanos e que ocorrem naturalmente. A maioria dos aromas ou odores são COVs. Os COVs também desempenham um papel importante na comunicação entre plantas e nas mensagens de plantas para animais.

Velocidade do ar

Muitas vezes você pega a leitura da força de ar a partir de um difusor a 0,2 m/s na velocidade terminal (máxima velocidade possível). Este é mais um padrão para fabricantes terem como base para mostrar a eficiência de um produto. Na zona ocupada (0,1 – 1,8 m acima do solo), os requisitos de velocidade mais comuns são 0,25 m/s no inverno e 0,15 m/s no verão.

Também há outros dois fatores chamados CLO (vestuário) e MET (metabolismo).

CLO é a capacidade de isolamento térmico da roupa, em uma determinada condição, que providencie uma sensação confortável. No inverno, normalmente configuramos o valor do CLO para 1. No verão, é definido para 0,8 e se você está completamente nu esse valor ficaria em 0.

O MET depende do nível de atividade que a pessoa desempenha e pode ser encontrada em tabelas para diferentes tipos de trabalho ou atividades.

Um tópico que faltou comentar também é a poluição sonora. Neste caso, depende totalmente do ambiente. Se a pessoa está, por exemplo, em um shopping, ele ou ela provavelmente tolera um nível maior de decibéis do que em um quarto pequeno. O intervalo pode ser de 30 a 40 dBA.

Em relação à umidade, sabemos que pode ter um grande impacto na saúde do indivíduo caso seja muito baixa ou alta. As condições “ideais” de umidade para humanos podem ser consideradas entre 40 e 60% (o que também depende da temperatura interna).

Diversas localizações geográficas podem ter alta ou baixa umidade, o que pode ser considerado uma condição confortável ou desconfortável. Em geral, se o ar interno tiver uma baixa umidade ou “muito seco”, isso afeta negativamente o sistema mucoso humano. umidade elevada demais pode resultar em risco de mofo no ambiente fechado.

Se você tem um resfriador em seu sistema de ventilação, ele cuidará da desumidificação do ar exterior com alta umidade.

Resumo

Para resumir o que é uma boa qualidade do ar em ambientes internos, devemos considerar todos os parâmetros que podem afetar nossos sentidos, ou seja, não apenas térmicos, mas também acústicos e visuais.

Tudo isso em conjunto forma o ambiente de trabalho e todos fatores são importantes para o ambiente ideal. Mas talvez a questão mais importante seja perceber as diferentes necessidades das pessoas e entender o que é um ambiente confortável para elas.

***

Artigo publicado originalmente no site da Systemair, indústria sueca cujo portfólio inclui produtos para ventilação, distribuição de ar e controles, além de condicionadores de ar para aplicações em missão crítica

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Compartilhe.