Brasil, quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Em meio à crise, empresa paranaense avança no setor de câmaras frigoríficas

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Focar em soluções de alto valor e oferecer atendimento diferenciado em todas as etapas da venda para escapar da mera competição por preço. Estas têm sido algumas das apostas da Girelli Refrigeração desde que iniciou a sua divisão de projetos e vendas de câmaras frigoríficas, há três anos. Hoje, a área vem se mostrando fundamental para a empresa continuar crescendo.

De acordo com o engenheiro mecânico Edson Girelli, uma das estratégias que se mostraram acertadas foi produzir equipamentos para mercados que exigem rígidos diferenciais de controle de temperatura e eficiência energética.

Um diagnóstico preciso já na fase de orçamento é outro aspecto que ele considera fundamental para que o cliente compreenda o real benefício dos produtos e serviços no médio e longo prazos.

“Fazemos uma ampla análise de consumo energético, pois só nesse quesito toda economia em materiais de menor qualidade pode significar prejuízo em menos de seis meses. Também buscamos sempre oferecer a isolação em EPS ou PU nos painéis”, destaca Girelli.

É preciso também, na sua avaliação, focar em diversos detalhes, como a presença de iluminação automática na porta ou a adoção da válvula de expansão termostática correta.

“Já ocorreu de vermos câmaras montadas com compressor rotativo de ar-condicionado e tubo capilar como elemento de expansão. É necessário explicar ao cliente que isso não é uma câmara dentro dos padrões de engenharia da atualidade, e sim apenas um sistema de refrigeração adaptada sem critérios de eficiência e durabilidade”, afirma o empresário.

m_img_20160824_122209150

Câmara fria projetada e instalada pela Girelli Refrigeração no Espaço Torres, em Curitiba

Ainda na fase do orçamento, o cliente deve escolher seu material descritivo, passando por fabricantes como Danfoss, Heatcraft, Full Gauge e PlantWatch Carel, além de tipos de portas, detalhes de piso, drenos, ralos, alarmes etc.

Somente a partir daí começa a parte do projeto, com a emissão do contrato e a definição de detalhes relacionados a bolsas de vapor, dimensão dos tubos, posição de sifão, etapas da preparação do piso e controle de umidade da câmara conforme a necessidade do produto.

“De pouco vale uma câmara de carnes que desidrate o alimento. O mesmo acontece com flores e frutas, entre outros itens”, exemplifica Girelli.

No fim da obra, a entrega técnica da câmara é outra oportunidade de estreitar o relacionamento com o cliente, ao apresentar mais soluções capazes de melhorar a experiência com o equipamento e trazer economia de energia.

“É o caso, por exemplo, da cortina em PVC para economizar energia e o ventilador desligado por um minuto para o conforto do operador, alarme de porta aberta, detalhes da limpeza e explanação dos canais para assistência técnica em caso de necessidade”, frisa.

“Com isso, o próprio cliente passa a recomendar os nossos serviços e ajuda a ampliar a nossa carteira, mesmo em plena crise”, acrescenta.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Compartilhe.